quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Aparentemente eu não sou muito, nem tenho muito, mas se da sua boca eu ouvir um sim, talvez eu consiga ser sim, muito. Posso tentar clarear no escuro, queimar no inverno, passar sono e fome sorrindo ou nadar contra a correnteza, tudo em busca de um sorriso tímido ou exagerado que você possivelmente saberá me dar como recompensa.
Eu te proponho que me dê a mão. Para que os nossos dedos se entrelacem e que o nosso toque possa ser a conexão mais firme que já existira entre dois corpos. Eu te proponho um ombro para confortar a tua cabeça nos dias difíceis e uma mão para acariciar o teu rosto, de forma que meus dedos ásperos consigam explorar cada centímetro dessa beleza que compõe essa tua face que tanto me agrada e me encanta e me fascina e me faz admirar-te nas tardes em que passa por mim e deixa pelo caminho esse aroma insaciável do teu corpo.
Tenho azia de amor. Queima por dentro de maneira que nenhum medicamento consegue fazer parar. Mas eu te juro que com um beijo, eu fico bom rapidinho. Por você eu troco planos, refaço sonhos, desfaço os nós e até corro quilômetros. Dou-te meu braço, meu abraço e te coloco para dormir.
Prometo-te cansaço na madrugada e em seguida descanso no conforto do meu peito. Voz mansa, toque leve e sussurros. De alegria. De amor. De gratidão. Eu te proponho sorriso, apoio, respeito, perdão, amor e um cafezinho. Todos eles bem quentinhos.
Eu te proponho paz e tranqüilidade, mas também te prometo ações, sensações e situações de gelar a barriga e suar a mão. Eu te proponho nervosismo com a calmaria do meu apoio, porque é claro que eu sempre estarei aqui ou aí ou ali para o que der e vier com você, do seu lado ou na sua frente para que a sua proteção seja propriamente mais bem designada.
Eu te proponho tantas coisas boas. Coisas inimagináveis, ou incalculáveis ou inexplicáveis,porque te amar é o código mais indecifrável que já pôde ser criado dentro de mim. Eu te amo sem receio. Sem medo de danos. Sem medo de pisar em falso. Porque este querido amor que ousa pesar no meu peito é tão firme que consegue manter o equilíbrio por nós dois.
Diz que sim. Vem pra mim. Fica aqui. Eu te proponho felicidade e um amor bonito para contar para os nossos futuros netos, quando os cabelos perderem a cor e a velhice chegar.
Wesley Néry

Nenhum comentário:

Postar um comentário