sexta-feira, 6 de março de 2015

Você não me deixa gostar de você.

Eu acho que já percebeu.
Até por quê o meu sorriso amarelo não me deixa esconder.
Esses tempos tem sido difíceis para eu saber conciliar a alegria de estar ao seu lado com o prazer de ter meu próprio espaço também.
Eu não queria viver dessa maneira.
Não queria ter que me distanciar de quem gosto, de quem me ajudou tanto e só quer o meu bem, só por quê você não sabe lidar com isso tudo ao mesmo tempo e encara como se fosse ameaça para nós dois. A sua insegurança está matando a minha energia e eu só me vejo como alguém tentando sobreviver, quando na verdade deveria me sentir alguém gostando de viver.
Você não entende que quanto mais perto eu estiver de quem gosto, ao mesmo tempo estando ao seu lado, mais feliz eu vou me sentir. Nunca quis que a nossa vida fosse uma prisão.
Eu não quero te ter só pra mim, quero te ter pra mim também.
Eu não quero que tenha só a mim, quero que tenha a mim também.
Mas você não me deixa gostar de você.
Pelo menos não de um jeito melhor como eu gostaria.
É triste porque acabo percebendo o tempo que estou perdendo com as nossas brigas sempre pelos mesmos motivos. Eu entendo que enxergou em mim um lugar seguro para ficar, mas eu gostaria que enxergasse também alguém livre para celebrar as coisas que me fazem bem.
Eu queria que ficasse feliz ao me ver feliz.
E não só ao ver nossas fotos que posta na internet.
Sou tão feliz por ter te encontrar, mas tão triste por você não admitir sua vida sem a minha pra te acompanhar. Sei que falando assim o tom pode beirar despedida, mas não é nada disso. Sou triste por você não conseguir se admirar, não conseguir se erguer e depositar em mim a responsabilidade de te fazer feliz.
Eu ia gostar tanto se você se gostasse.
E me tivesse como alguém para te equilibrar, muito mais que alguém para se depender.
Meus amigos já não são mais os mesmos. Os assuntos que antes não terminavam, hoje posso contar nos dedos. Eu sei que no fundo eles ainda gostam de mim, mas eu queria dar ainda mais motivos para isso, queria ser ainda mais presente, e o pior de tudo: queria sua companhia pra viver isso comigo. Assim como pra mim seria um prazer viver o mesmo com você.
Você entende que nós criamos juntos um motivo para me fazer triste?
E já foram tantas as vezes que tentei te explicar, que tentei te dar a segurança da minha palavra e o conforto da nossa volta juntos pra casa, mas você nunca me deu ouvidos e sempre preferiu fiscalizar meus passos e saber quantas vezes por dia sorrio; com quem conversei, sobre o quê e por quê.
É que eu não queria que viciássemos um pelo outro.
Uma coisa é eu gostar tanto da sua companhia, outra é você não me deixar viver sem ela.
Nós somos uma soma, não uma divisão. Gosto da sua risada e do seu carinho no meio das costas, mas também gosto de sentir a sua falta.
Me deixa rir sem a obrigação de te explicar, me deixa conversar com quem me faz bem, me deixa ver quem quer me ver, sem precisar estar com você. Me deixa te detalhar coisas que me contaram, me deixa ter assuntos novos para dividir, me deixa viver um pouco para que possamos viver muito.
Eu gostaria de gostar mais de você, mas você não me deixa.
Gosto tanto do que somos e do prazer em ser o primeiro que te vê acordar, mas eu gostaria que você gostasse de me ver gostando de mim mesmo, assim como eu era no começo, assim como era quando eu nem te conhecia, assim como eu pensei que gostaria ainda mais de gostar desde aquele dia que entrou na minha vida.


Todo dia penso em maneiras de como salvar os nossos dias, sendo que eu gostaria de pensar em maneiras de como aproveitar cada um deles.
Eu acho que você não percebeu.

Márcio Rodrigues.

Nenhum comentário:

Postar um comentário